sábado, 11 de março de 2017

Quanto tempo demora para que os Antidepressivos faça efeito?


A demora do efeito dos medicamentos antidepressivo tem sido bastante relatado por pessoas que lidam com a depressão ou outros tipos de doença mental.


Durante um período médio de 4 a 6 semanas as pessoas costumam ficar aflitas para que a medicação escolhida pelo médico tenha efeito positivo e melhore a depressão. Mas afinal quanto tempo é preciso esperar para que o medicamento tenha o efeito desejado e qual a razão da demora?

Razão da demora do efeito antidepressivo


Pesquisadores descobriram uma razão de tal demora do efeito antidepressivo, os neurocientistas identificaram um mecanismo previamente desconhecido de ação de inibidores da recaptação da serotonina ou ISRSs (Fluoxetina, Sertralina, Paroxetina, Citalopram, Escitalopram), o tipo mais comumente prescrito de antidepressivo. 

De acordo com os estudos, a ciência não sabe bem o que causa a depressão, ou como tratá-la de forma eficaz. No entanto, os ISRSs funcionam impedindo a reabsorção de serotonina de volta para as células nervosas (neurônios).

Os antidepressivos se acumulam em manchas da membrana celular chamadas “jangadas lipídicas” e a acumulação foi associada a níveis reduzidos de uma molécula de sinal importante nas jangadas. Isso levou os pesquisadores a ter um outro método de ação de como os ISRSs podem afetar o cérebro.

Os antidepressivos se ligam aos seus alvos dentro de minutos, porém podem levar até dois meses para começar a reduzir os sintomas da depressão. Os pesquisadores acham que talvez essas drogas tenham um sítio de ligação alternativo que é importante na ação das drogas para reduzir os sintomas depressivos.

É sugerido que a serotonina esteja em falta nas pessoas com depressão. ISRSs ligam-se a transportadores de serotonina – estruturas encaixadas dentro das membranas das células nervosas que permitem à serotonina para passar para dentro e para fora dos neurônios como eles se comunicam um com o outro. ISRSs bloqueiam o transporte de serotonina que foi lançada para o espaço entre os neurônios – a sinapse – de volta para os neurônios, mantendo portanto mais neurotransmissor disponível na sinapse, ampliando os seus efeitos e reduzindo os sintomas de depressão.

Os investigadores suspeitaram que a resposta retardada à droga antidepressiva ocorre devido aos efeitos de moléculas de sinalização em membranas de células nervosas chamadas de proteínas G.

Pesquisas anteriores mostraram que, em pessoas com depressão, proteínas G tendiam a se reunir em espécies de jangadas lipídicas, áreas da membrana rica em colesterol. Encalhado nas jangadas, as proteínas G não tinham acesso a uma molécula chamada AMP cíclico, que eles precisam para funcionar. A sinalização afetada poderia justificar porque as pessoas com depressão são “insensíveis” ao seu ambiente.

A equipe de cientistas banhou células gliais de rato, um tipo de células do cérebro, com diferentes ISRSs e com as proteínas G localizadas no interior da membrana celular. Eles descobriram que eles se acumularam nas jangadas lipídicas ao longo do tempo – e como eles fizeram isso, a quantidade de proteínas G nas jangadas diminuiu.

“O processo mostrou um intervalo de tempo consistente com outras ações celulares dos antidepressivos”, disse Rasenick.

“É provável que este efeito sobre o movimento das proteínas G fora das jangadas lipídicas para regiões da membrana celular onde eles são mais capazes de função é a razão pela qual estes antidepressivos levam tanto tempo para trabalhar.”

“Determinar o local exato de ligação poderia contribuir para a concepção de novos antidepressivos que aceleram a migração das proteínas G para fora das jangadas lipídicas, de modo que os efeitos antidepressivos possam se iniciar mais cedo.”

Rasenick já sabe um pouco sobre o sítio de ligação jangada lipídica. Quando ele encharcou neurônios de rato com um ISRS chamado escitalopram e uma molécula que era sua imagem no espelho, apenas a forma com destra da molécula se ligou à jangada lipídica.

“Esta modificação mínima na molécula a impede de ligação, de modo que ajuda a diminuir algumas das características do local de ligação”, disse Rasenick.

Portanto, essas novas descobertas excelentes sobre novos sítios de ligação dos antidepressivos nas membranas dos neurônios é muito importante para que no futuro as pessoas que tanto sofrem de transtornos mentais possam ter o tempo de melhora de suas implacáveis e torturantes angústias e sofrimentos diminuídos rapidamente.

Fonte:

Erb, S., Schappi, J., & Rasenick, M. (2016). Antidepressants Accumulate in Lipid Rafts Independent of Monoamine Transporters to Modulate Redistribution of the G protein, Gαs Journal of Biological Chemistry DOI: 10.1074/jbc.M116.727263

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...