sábado, 30 de maio de 2020

Alimentos que pode ajudar conter o COVID-19




De acordo com um estudo feito por pesquisadores da Mayo Clinic e publicado pelo periódico Gastroenterology, controlar os níveis de cálcio e albumina (uma proteína) no sangue no início dos sintomas da covid-19 pode evitar que a progressão da gravidade do quadro.

A pesquisa analisou os dados coletados de autópsias de pacientes que morreram por complicações do novo coronavírus (SARS-CoV-2) e comparou com informações de pacientes que morreram após falência de órgãos causada pela liberação de ácidos graxos insaturados.

De acordo com os pesquisadores, o receptor do vírus no corpo humano, conhecido como ACE-2, aparece em células adiposas e pancreáticas que atuam liberando enzimas para quebrar a gordura; o problema é que, nesse processo, são liberados ácidos graxos insaturados que não apenas consomem o cálcio sérico e a albumina como também ferem os órgãos vitais, o que pode levar à morte.

Suplementar esses dois nutrientes desde o início da infecção para manter os níveis normais desses nutrientes no organismo poderia, então, ajudar a neutralizar os ácidos graxos insaturados e evitar a falência de órgãos — oferecendo ao corpo do paciente um tempo precioso para combater a doença.

De acordo com o pesquisador Vijay Singh, da Mayo Clinic no Arizona, a descoberta pode prevenir os casos severos de covid-19 de forma simples, já que esse tipo de suplementação é seguro e pode ser facilmente colocada à prova em testes clínicos. Além disso, tanto o cálcio como a albumina são nutrientes facilmente encontrados para esse tipo de aplicação.

Alimentos Ricos em Cálcio



O cálcio é uma substância fundamental no desenvolvimento e funcionamento saudável do corpo humano. No entanto, é preciso que ele seja consumido em quantidades certas, seguindo sempre as recomendações para cada idade:

Faixa etária e Consumo diário recomendado

De 0 a 6 meses – 200mg
De 7 meses a 1 ano – 260 mg
De 1 a 3 anos – 700mg
De 4 a 8 anos – 1000mg
De 9 a 13 anos – 1,3 mil mg
De 14 a 18 anos – 1,3 mil mg
De 19 a 50 anos – 1 mil mg
Mulheres a partir de 51 anos – 1,2 mil mg
Homens a partir de 51 anos – 1 mil mg
A partir de 71 anos – 1,2 mil mg
Grávidas entre 14 e 18 anos – 1,3 mil mg
Grávidas entre 19 e 50 anos – 1 mil mg
Lactantes entre 14 e 18 anos – 1,3 mil mg
Lactantes entre 19 e 50 anos – 1 mil mg

BRÓCOLIS


Em cada 100g de brócolis cru, contém 400 mg de cálcio. Mas cuidado com o consumo dele cru, pode levar a um quadro de hipotireoidismo. Prefira consumir o brócolis no vapor, pois durante o cozimento ele pode perder as propriedades, aproveite outros nutrientes, como ácido fólico, antioxidantes, fibras e vitaminas A e C.

SARDINHA


As sardinhas são conhecida por ser fonte de uma gordura boa, o ômega 3. porém, as sardinhas também são ricos em cálcio, já que a cada 100g contém cerca de 440 mg de cálcio. Além disso, elas também são ricas em vitamina D, a vitamina D é essencial na absorção do cálcio no corpo.

ESPINAFRE


Alimento antioxidante e fonte de fibras, o espinafre também é rico em cálcio. Cada 100 g do vegetal contém 160 mg do nutriente. A hortaliça pode ser consumida sozinha em saladas ou lanches simples ou cozido.

LINHAÇA


Uma porção de 100 g de linhaça contém 200 mg de cálcio, mas, segundo o nutrólogo Roberto, é recomendado ficar atento a esse alimento por ser altamente calórico. Essa mesma quantidade oferece cerca de 490 calorias.

GRÃO DE BICO


A cada 100 g do alimento, são obtidos 120 mg de cálcio. Outras vantagens do consumo é a sensação de saciedade, melhora do fluxo intestinal e obtenção de proteínas.

CHIA


Semente rica em ômega 3, fibras, ferro e proteínas. Cada 100 g do alimento contém 556,8 mg do mineral. A chia ainda é conhecida por proteger o coração, melhorar o sistema imunológico, combater cãibras e auxiliar no funcionamento do sistema nervoso.

AVEIA


Rica em cálcio, oferece 300 mg do mineral a cada 100 g do cereal, contribui para o bom colesterol e é um dos cereais mais em conta para adicionar na sua dieta.

SEMENTE DE GERGELIM


400 mg de cálcio em cada 100 g do alimento. Estudos mostram que as gorduras insaturadas presentes na semente de gergelim agem de forma positiva na regulação do colesterol e do triglicérides.

AMÊNDOAS


A cada 100g de Amêndoas contém cerca de 137mg de cálcio e pode ser consumido em forma de leite vegetal também.

FOLHAS DE CARURU


Erva aromática de sabor apimentado, comum no nordeste do Brasil, riquíssima em cálcio, que pode ser utilizada no preparo das refeições para substituir o sal e nas saladas. A cada 100g, oferece 538 mg de Cálcio.

OVOS


Rico em vitamina D, que ajuda o cálcio a fortalecer os ossos, rico em proteína magra, ajuda a fortalecer e a definir os músculos. 1 ovo cozido possui 28mg de cálcio.

LEITE


Apenas 200 ml de leite, um copo americano, é capaz de fornecer até 250 mg de cálcio;Queijo fresco: um alimento muito rico em cálcio. Uma única fatia chega a conter até 200 mg de cálcio.

AÇAÍ

Um pote inofensivo de 200 g de açaí conta com mais de 230 mg de mineral;
Iogurte natural: um pote de 200 ml de iogurte, além de conter baixo teor de açúcares e gorduras, conta com mais de 348 mg do mineral.

QUEIJO

Queijo Cheddar: apenas 100 g desse tipo de queijo conta com 721 mg de cálcio;
queijo Mussarela: 100 g do queijo mais comum na casa dos brasileiros dispõe de 731 mg desse mineral.

LARANJA

Uma laranja média conta com 60mg de cálcio.


Alimentos ricos em Albumina



As albuminas são comumente encontrados em plasma de sangue, e são diferentes de outras proteínas do sangue, em que eles não são glicosiladas. Substâncias que contêm albuminas, como a clara de ovo, são chamados albuminóides. Albumina é uma proteína produzida pelo fígado.

Para manter uma boa saúde, você precisa de 4,0 g / DL ou um nível mais alto no corpo; quando a ingestão de proteína é muito baixa, ou de baixa qualidade, uma diminuição na albumina é alcançada e uma perda da condição chamada energia proteica vem a ocorrer; Como resultado, músculos e gorduras são quebrados para fornecer aminoácidos essenciais necessários para o corpo funcionar, o que pode causar fraqueza, vulnerabilidade a infecções e depressão, entre outras condições.

OVO

A clara de ovo é composta de 100% de albumina, a melhor qualidade de proteína que pode ser ingerida, também é baixa em fósforo, fornecendo até 7,2 gramas de proteína pura, no caso de duas claras de ovo.
O ovo inteiro fornece uma grande quantidade de albumina com 6 gramas de proteínas completas, para fortalecer o corpo, especialmente no período da manhã, e para alguma coisa, foi e é um alimento popular entre os atletas.

CARNE

O hambúrguer feito de peru ou carne magra, é um alimento com bastante proteína, além de sua contribuição no fornecimento de ferro, o que ajuda a prevenir a anemia, ao mesmo tempo em que impulsiona o ciclo da proteína.

FRANGO


Carne de frango é versátil como prato principal, servido quente ou frio em qualquer ocasião; Sua proteína varia de 14 a 28 gramas, dependendo do tamanho, mas você deve evitar os processados, que contêm muito sódio e fósforo, que podem afetar os rins, quando consumidos em excesso.

QUEIJO

Queijo cottage, comparado ao leite, e queijo é menor em potássio e fósforo;

PEIXE


O peixe é uma ótima fonte de proteína; peixes gordurosos, como salmão, cavala e truta arco-íris, também são ricos em ácidos graxos ômega-3 que ajudam a reduzir a inflamação; Outra opção é aproveitar o nosso marisco, que não dá o poder necessário para manter a saúde e alcançar resultados surpreendentes, produto da formação.

IOGURTE

Iogurte grego, embora seja rico em potássio e fósforo, em um único copo contém 22 gramas de proteína, é então um excelente complemento para qualquer plano de dieta, mesmo como um substituto para a carne em alguns alimentos.
Produzindo proteína de soro de leite ou ovo em pó ou a versão líquido, faz com que os suplementos completa combinação e alimentos, mas são parte de alimentos ricos em albumina, para o seu valor biológico, sendo de baixo teor de potássio, e contêm outros compostos bioativos que facilitam a digestão de aminoácidos.

CARNE DE PORCO

A costeleta de porco, além de conter proteínas de alta qualidade, é uma boa fonte de ferro e tiamina; Uma costeleta cozida fornece 20 a 26 gramas de proteína.

PROTEÍNA EM BARRA

Uma barra de proteína pode conter mais de 15 gramas de proteína, abaixo de 150 mg de fósforo e menos de 200 mg de potássio e sódio.

TOFU

O Tofu é uma coalhada feita de soja; Vem em várias texturas, mas contribui com 7 a 13 gramas de proteína por meia xícara, e embora seja maior em fósforo e potássio, do que outros alimentos ricos em albumina, como carne, ainda é uma fonte alternativa de proteína, ideal especialmente para veganos e vegetarianos.

quarta-feira, 27 de maio de 2020

Tratamento da conjuntivite


O tratamento da conjuntivite no cenário de pandemia mesmo que a principal recomendação seja procurar um médico ao apresentar os sintomas da conjuntivite, neste momento que estamos vivendo mudou essa orientação. 

Como não há um tratamento específico para a conjuntivite viral, os cuidados são para diminuir os sintomas e desconforto, que duram de uma a três semanas.


Se a pessoa apresenta somente os sintomas comuns da conjuntivite, como olhos vermelhos, secreção e inchaço da pálpebra, o mais prudente, neste contexto de pandemia, é tratar em casa. 

Recomendamos que seja feita a higiene ocular, com uso contínuo de soro fisiológico gelado. Se as pálpebras estiverem muito inchadas, compressas de gelo também podem ajudar.

Mas se o paciente apresentar sinais mais graves, como baixa visão ou manifestação respiratória preocupante, como falta de ar, é recomendado procurar uma Unidade Básica de Saúde.

É preciso ficar alerta para os riscos de alguns remédios caseiros no tratamento da conjuntivite. Muitos sugerem uso de leite materno, arruda, água boricada e até mesmo limão. O olho é uma superfície muito delicada, por isso deve-se evitar essas preparações caseiras. A melhor forma de tratar a doença é com soro fisiológico.


Transmissão e cuidados

A transmissão da conjuntivite ocorre durante a manifestação dos sintomas e principalmente pelo contato. Para as pessoas sintomáticas, o mais importante é ter precauções, inclusive como forma de responsabilidade social, para evitar que a doença se dissemine com facilidade.

Nesses casos, sempre recomendamos um distanciamento social. Por exemplo, crianças têm costume de se aproximar mais, dar abraços, devido a isso, a recomendação é afastá-las de escolas e creches, até se recuperarem. Pois, nesses ambientes, a chance de propagação da doença é alta.



Em tempos de Pandemia, ressalta-se: cubra a boca com o antebraço ao tossir ou espirrar; higienize as mãos com frequência; dê preferência para lenços descartáveis ao invés de toalhas de pano e evite contato muito próximo com outras pessoas.

Uma recomendação importante para a prevenção de conjuntivites infecciosas é evitar aglomerações. Isso porque os locais com muitas pessoas facilitam a circulação do vírus. 

No inverno, por exemplo, período em que os indivíduos ficam mais próximos e em ambientes fechados, as chances de contrair doenças, como gripes, resfriados comuns e até mesmo conjuntivites, aumentam.

quinta-feira, 14 de maio de 2020

Leite alivia dor no estômago?




Quando você está com dor de estomago e não consegue comer, o que poderia ser melhor do que um copo de leite suave para acalmar essa dor?

Até a década de 1980, os médicos recomendavam o leite para pacientes com úlceras para ajudar a aliviar o desconforto. .


O leite mesmo sendo um pouco ácido, ainda é muito menos do que o ácido gástrico produzido naturalmente pelo estômago. Então instintivamente pensou-se que o leite poderia neutralizar o ácido mais forte e aliviar a dor. 
Mas estudos demonstraram que o leite ao invés de neutralizar, estimula a produção de ácido, o que pode fazer com que você fique novamente com dor após um curto período de tempo.

Em um estudo pesquisadores descobriram que o leite causou um pico na secreção de ácido gástrico três horas após dos participantes terem ingerido leite, o que poderia explicar por que as pessoas com úlceras geralmente sentem dor algumas horas após.

Não é apenas o leite que aumenta a acidez estomacal, estudos comparando café, chá, cerveja e leite descobriram que todos estimularam a secreção de ácido.

Então, embora o leite melhore temporariamente o revestimento do estômago, tamponando o ácido no estômago e fazendo você se sentir um pouco melhor, o alívio deve durar apenas vinte minutos, aproximadamente. 

Logo, o leite pode até ter alguns benefícios, mas o alivio da dor de estomago não é um deles.

sábado, 2 de maio de 2020

Viagra ou Cialis, qual o efeito dura mais tempo?



O Viagra (Sildenafila) e o Cialis (Tadalafila) são inibidores da fosfodiesterase tipo 5, eles não causam diretamente uma ereção do pênis, mas alteram a resposta do corpo à estimulação sexual.

Diferença entre o Viagra e o Cialis



- Ambos demonstraram excelente eficácia em geral. O Viagra, com 84%, é ligeiramente mais eficaz que o Cialis com 81%.

- O Viagra começa a agir com 30 minutos (efeito retardado se tomado com comida) e tem duração de 4 a 5 horas.

- Já o Cialis começa a agir com 16 a 45 minutos (efeito NÃO atrasado pela comida) e tem duração da ação de 36 horas.

- O Cialis tem um início de ação mais lento e maior duração de ação, o que é atribuído à sua meia-vida mais longa.

- Homens que desejam espontaneidade podem optar pelo Cialis, que é capaz de permitir uma relação sexual bem sucedida até 36 horas após a administração, mesmo que leve mais tempo para atingir o efeito máximo. ⠀

Efeitos colaterais do Viagra e Cialis

- Anormalidades visuais são encontradas com Viagra mas são improváveis com Cialis. 

- Dor nas costas e dores musculares (mialgia) podem ocorrer com Cialis, mas são incomuns com o Viagra.

- Os efeitos colaterais do Cialis tendem a durar mais tempo, mas são menos marcados do que com as outras drogas.

Qual é mais eficaz?

Ambos são eficazes e seguros desde que usado com a indicação correta. São usados em situações diferentes;

- Viagra para uma resposta rápida e passageira;

- O Cialis, como dura mais tempo no corpo, aumenta a espontaneidade em relação ao Viagra;

- Cialis pode ser tomado com alimentos pois não há redução na absorção, ao contrário do Viagra.

Qual é melhor, Omeprazol ou Pantoprazol?



De acordo com estudos científicos, não há diferenças significativas, eles possuem eficácia semelhante em doses comparáveis. 

Isso também se estende para os outros fármacos da classe. Os dois medicamentos são inibidores da bomba de prótons ou IBPs, e todos os fármacos dessa classe são “pró- fármacos” que necessitam ativação em ambiente ácido.

Diferença entre Omeprazol e Pantoprazol

Apesar da eficácia semelhante, as principais diferenças entres eles são: ⠀

- A "semi-vida plasmática" do omeprazol é de cerca de 30 a 60 min, enquanto a do pantoprazol é ligeiramente superior, de 60 a 120 min. O efeito farmacológico persiste por quase um dia inteiro (apesar da meia-vida ser inferior a 2h). Isso acontece porque a inibição da bomba de prótons é irreversível e o estômago precisa sintetizar novas bombas para recuperar a função perdida de secreção ácida.

- A absorção oral de pantoprazol é melhor que omeprazol, pois ele é ligeiramente mais ácido estável que omeprazol;

- O pantoprazol interage com menos drogas do que omeprazol; os IBPs são metabolizados por enzimas do citocromo P450, especificamente CYP2C19 e CYP3A4.

- O pantoprazol é também metabolizado pela sulfotransferase citosólica, por isso tem menos possibilidades de causar interações com substratos de enzimas do citocromo P450 quando comparado os outros fármacos da classe.

- Omeprazol não deve ser utilizado em conjunto com antiácidos; ⠀

- Pantoprazol não apresenta interação com antiácidos e outros medicamentos como digoxina, contraceptivos orais, diazepam, fenitoína, entre outros. Por isso é o fármaco de escolha em pessoas que necessitam utilizar um grande número de medicamentos.

- O uso prolongado de ambos pode causar hipersecreção de rebote, assim, a retirada deve ser gradual.

De acordo com os comparativos, o pantoprazol apresenta melhor benefício que o omeprazol, cabendo a medico avaliar o melhor tratamento para o paciente

domingo, 19 de abril de 2020

Remédios que atacam os Rins






Os rins são os principais órgãos responsáveis pela filtração e eliminação de substâncias tóxicas que circulam no sangue.

Vários medicamentos usados frequentemente na prática médica, que podem causar lesão renal se forem usados de modo inapropriado. Damos o nome de fármacos nefrotóxicos a todos os medicamentos que apresentam potencial risco de causar lesão nos rins.

Anti-inflamatórios

O principal efeito maléfico dos AINES é a redução da filtração renal, ou seja, da capacidade dos rins em filtrar o sangue.

O anti-inflamatório é, portanto, uma droga contra-indicada em pacientes com insuficiência renal.

Outra lesão relacionada aos anti-inflamatórios é a nefrite intersticial, uma espécie de reação alérgica localizada no rim. A nefrite intersticial pode ser causada por várias drogas além dos anti-inflamatórios e se apresenta principalmente como uma insuficiência renal aguda, com rápida elevação da creatinina.

AAS

O AAS também é um anti-inflamatório e deve ser usado com cautela em pacientes com doenças renais.

Antibióticos


Os antibióticos também são causa de nefrite intersticial. Diferentemente da nefrite pelos anti-inflamatórios, no caso dos antibióticos a proteinúria é pequena, mas outros sintomas como febre e manchas vermelhas pelo corpo associado a insuficiência renal aguda, ocorrem com maior frequência.

Vários antibióticos podem causar nefrite intersticial, principalmente as penicilinas, rifampicina, ciprofloxacino e trimetoprim/sulfametoxazol (Bactrim®).

Alguns antibióticos são nefrotóxicos por natureza e devem ser evitados em doente renais crônicos. Os mais comuns são:

- Aminoglicosídeos (ex: Gentamicina, Amicacina, Estreptomicina, Tobramicina e Neomicina).

- Anfotericina B.

- Pentamidina.

Analgésicos

A lesão renal renal pelo uso prolongado de analgésicos era muito comum até a década de 80, e caiu vertiginosamente após a retirada da Fenacetina do mercado. Hoje, as lesões relacionadas aos analgésicos são causados pelo uso diário e prolongado (por meses ou anos) do Paracetamol, principalmente se associado ao ácido acetilsalicílico (AAS).

A dipirona é muito pouco usada em vários países da Europa e nos EUA, por isso existem poucos estudos sobre seu toxicidade renal. Aparentemente, esse analgésico é uma opção segura para os pacientes com doença renal.

Antipsicóticos


Um estudo publicado em 2014 com 200 mil indivíduos com idade acima de 64 anos mostrou que os pacientes idosos que tomam quetiapina, olanzapina ou risperidona, um grupo de fármacos chamado antipsicóticos atípicos, apresentaram um risco duas vezes maior de hospitalização por lesão aguda do que os pacientes da mesma idade que não tomam nenhum dos três medicamentos.

Outros medicamentos

- Lítio: usado principalmente no distúrbio bipolar ( antigo distúrbio maníaco-depressivo).

- Aciclovir: antiviral.

- Indinavir: antirretroviral usado na SIDA (AIDS).

- Ciclosporina: imunossupressor usado em transplantes e doenças autoimunes.

- Tacrolimus: igual à ciclosporina.

- Ciclofosfamida: imunossupressor usado em doenças autoimunes e algumas neoplasias.

Corticoides

Os anti-inflamatórios hormonais ou corticoides são medicamentos à base de hormônios que são produzidos pelas glândulas supra-renais. O uso indiscriminado destes medicamentos podem causar lesão renal.

Os principais corticoides de ação sistêmica vendidos no Brasil são: Prednisona, Dexametasona, Betametasona, Budesonida, Hidrocortisona, Deflazacorte, Triancinolona, Clobetasol.

Outro efeito colateral dos Corticoides é o edema(retenção de líquidos). Os corticoides promovem aumento da reabsorção de Na+ e excreção de K+ pelo rim.

Altas doses por tempo prolongado podem produzir alcalose metabólica hipocalêmica. Os glicocorticoides aumentam o "clearance" de água livre devido a um efeito direto no túbulo renal e a um aumento na taxa de filtração glomerular.

Os corticoides podem também inibir a secreção de hormônio antidiurético (ADH), mas não se sabe se diretamente ou por algum mecanismo indireto.

Vitamina C


É bom ter muito cuidado com o uso excessivo de vitamina C, pois dose muito alta desta vitamina aumenta o risco de efeitos indesejáveis, inclusive provoca depósito de oxalato de cálcio, necrose tubular aguda e/ou insuficiência renal (mau funcionamento dos rins).

Indivíduos com insuficiência renal (mau funcionamento dos rins) devem consultar um médico ou profissional de saúde antes de tomar doses altas de vitamina C.

Pacientes com insuficiência renal grave ou terminal (sob diálise) não devem exceder uma dose diária de 100 mg de ácido ascórbico, devido ao risco de formação de cálculos urinários.

Suplementos de Cálcio


O uso constante de cálcio pode provocar hipercalcemia. O cálcio aumenta risco de cálculos nos rins em quem tem predisposição à formação de pedras. Nem todo cálcio ingerido é absorvido pelos ossos e, com o excesso da substância na corrente sanguínea, ela é direcionada para o rim, a fim de ser expelida. Entretanto, com a alta quantidade do mineral no rim, ocorre a calcificação, originando as pedras.


Com informação de MDSAUDE

Postagem em destaque

Alimentos que pode ajudar conter o COVID-19

De acordo com um estudo feito por pesquisadores da Mayo Clinic e publicado pelo periódico Gastroenterology, controlar os níveis de ...