terça-feira, 16 de outubro de 2018

Comida aquecida no micro-ondas faz mal?



Quando aquecemos alimentos no micro-ondas, geralmente surge aquela dúvida, será que perde nutrientes, será que faz mal para saúde? Neste post esclarecemos tudo, veja a seguir.

É comum algumas comidas ficarem borrachudas, secas e até "sem brilho"; um exemplo é o pão francês, outros alimentos perdem muita água e ficam duro igual pedra como o pão de queijo.

Sempre que você esquenta um alimento --no micro-ondas, no forno, na grelha ou imerso na água -- existe alguma alteração na composição dele. Umas substâncias se vão, outras ficam mais fáceis de ser absorvidas pelo organismo. Mas, diferentemente do que muitos pensam, o micro-ondas não provoca perda significativa de nutrientes. Pelo contrário, em certos casos, até preserva melhor alguns ativos.


Ao preparar brócolis no aparelho, por exemplo, você conserva muito mais vitamina C do que no vapor. Isso acontece porque, como no micro-ondas a comida fica pronta mais rapidamente, a perda do nutriente é menor. Uma pesquisa da Universidade de Cornell (EUA) mostra que a quantidade de vitamina C dos vegetais diminui apenas 10% com dois minutos de exposição ao calor. Já após 20 minutos, o nutriente praticamente desaparece.

Além disso, vitaminas hidrossolúveis --como a C e algumas do complexo B -- são "inutilizadas" quando o alimento é cozido imerso na água, mas preservadas pelas ondas de calor. É o caso do macarrão cozido: para não perder o ácido fólico (vitamina B9), não esquente o alimento na água quente, prefira o micro-ondas.

Micro-ondas podem evitar câncer?


O aparelho emite ondas curtas de energia eletromagnética. Elas fazem com que as moléculas de água do ingrediente se agitem e gerem calor. Então, a temperatura dentro do forno de micro-ondas atinge, no máximo, cerca de 100 ºC --valor em que a água sofre ebulição. E isso confere outra vantagem ao aparelho. Segundo a Agência de Normas Alimentares da Grã-Bretanha, é só a partir de 120 ºC que os aminoácidos de alguns alimentos sofrem transformações químicas e podem liberar acrilamida --substância relacionada a alguns tipos de câncer, quando consumida em excesso.

O alimento tem alguma perda no aparelho?


A maior mudança que a comida sofre no micro-ondas é a desidratação, já que as moléculas de água "evaporam" do alimento no processo de ebulição --e por isso o prato fica menos suculento. Além da diferença no paladar, pode haver um pequeno aumento no índice glicêmico (IG)dos carboidratos. Quando você ingere o alimento, a glicose dele é liberada mais rapidamente na corrente sanguínea. Ainda assim, o aumento no IG causado pelo micro-ondas é bastante próximo ao do forno convencional.
 
Onde você esquenta a comida importa

Se existe algo que pode ser prejudicial à saúde no uso do micro-ondas é o recipiente que você escolhe para aquecer os alimentos. Prefira sempre os de vidro e louça. Se usar materiais de plástico, cheque se são 100% livres de BPA (bisfenol A). Essa substância química é liberada pelo calor e traz efeitos nocivos ao organismo: há evidências de que ela causa alteração nos hormônios da tireoide e na liberação de insulina pelo pâncreas. 

Com informação de Noticias Bol Uol.

sábado, 6 de outubro de 2018

Dieta Mediterrânea e seus Benefícios para Saúde



Já ouviu falar sobre a dieta que melhora o humor, controla o colesterol, emagrece, reduz a pressão arterial e melhora a memória? De acordo com alguns estudos a Dieta Mediterrânea é capaz de fornecer todos estes benefícios para a saúde.


A sua importância na saúde do indivíduo não se limita ao fato de se tratar de uma dieta equilibrada, variada e com nutrientes adequados, os benefícios de seu baixo teor de ácidos gordos saturados e alto teor de monoinsaturados, tal como em glícidos complexos e fibra alimentar, junta-se a riqueza em antioxidantes, determinantes para o bem-estar. 

Alimentos que integram a dieta:


- Origem vegetal como: pão, massas, arroz, hortaliças, legumes, fruta fresca e frutos oleaginosos. 


- Utilização do azeite como principal fonte de gordura.


- Consumo moderado de pescado, aves, lacticínios e ovos.

- Consumo de pequenas quantidades de carnes vermelhas. 

- Ingestão moderada de vinho, geralmente durante as refeições.

Estudos feitos na Austrália observaram que mulheres jovens que aderiram a dieta mediterrânea apresentaram após 10 dias elevação no contentamento e no estado de alerta, redução da confusão mental e na pressão arterial, redução de peso, além de uma melhora significativa de aspectos cognitivos, incluindo atenção, memória imediata, memória a longo prazo e funcionamento executivo.

De acordo com o estudo, a mudança de curto prazo para a dieta mediterrânea pode melhorar os aspectos de humor e saúde cardiovascular em mulheres jovens e saudáveis.

Alimentos da Dieta e Recomendações de Uso

Cereais


- Pão (de trigo, mistura, integral, broa de milho, de centeio);

- Massas (esparguete, penne rigatte, noodles);

- Arroz (selvagem, basmati, agulha, carolino, integral);

- Cereais (trigo, milho, centeio, cevada, aveia).

Os Cereais são os principais fornecedores de glícidos complexos, a fonte energética para o funcionamento correto do nosso organismo. Além disso, fornecem vitaminas, minerais e fibra alimentar.

É recomendado o consumo de 1 a 2 porções de cereais de preferência integrais a cada refeição principal.

Hortaliças

- Couve;

- Abóbora;

Tomate ;

- Cebola;

- Espinafres;

- Nabo;

- Brócolis;

- Couve-flor;

Cenoura; 

- Alface;

- Alho-francês;

- Feijão-verde.

Os hortaliças são essencialmente fornecedores de vitaminas, minerais e fibra alimentar.

É recomendado o consumo mínimo de 2 porções de hortaliças a cada refeição principal, crus ou cozinhados e com texturas e cores variadas.

Fruta fresca

Maçã;
- Pêra;

- Laranja;

- Banana;

- Uva;

- Melão;

- Melancia;

- Marmelo;

- Pêssego.

A fruta fresca é essencialmente fornecedora de glícidos, vitaminas, minerais e fibra alimentar.

É recomendado o consumo de 1 a 2 porções de fruta fresca a cada refeição principal, crua ou cozinhada e com texturas e cores variadas.

Azeite

O azeite é fornecedor de lípidos, ácidos gordos essenciais, e vitaminas lipossolúveis, como a vitamina E.

Localizado no centro da pirâmide, o azeite deve ser a principal fonte de gordura, a utilizar com moderação quer para o tempero, quer para a confecção (uma colher de sopa, no máximo).

Frutos Oleaginosos, Sementes e Azeitonas 

- Nozes;

- Amêndoas;

- Avelãs;

- Amendoins;

- Sementes de sésamo;

- Sementes de linhaça.

Os frutos oleaginosos, as sementes e as azeitonas são excelentes fornecedores de ácidos gordos essenciais, proteína vegetal, vitaminas, minerais e fibra alimentar.

É recomendado o consumo de 1 a 2 porções diárias de frutos oleaginosos, sementes ou azeitonas.

Ervas Aromáticas, Especiarias, Cebola e Alho

A utilização de ervas aromáticas, especiarias, cebola ou alho traduz uma excelente forma de introduzir diversidade de aromas e sabores aos alimentos, contribuindo para a redução da adição de sal.

Lacticínios

- Leite;

Queijo (queijo fresco, queijo flamengo, queijo de cabra, roquefort); 

Iogurte (sólidos ou líquido: aroma, pedaços, natural).

Os lacticínios são fornecedores de proteínas, minerais dos quais se destaca o cálcio, e vitaminas.

É recomendado o consumo de 2 porções de lacticínios por dia, preferencialmente sob a forma de iogurte e queijo com baixo teor de gordura.

Carne, pescado, ovos e leguminosas secas

- Carne (bovino, suíno, caprino, ovino, aves...);


Peixe (gordo: sardinha, atum, sarda, cavala, arenque, salmão, (magro: pargo, bacalhau, abrótea, corvina, garoupa, carapau);

- Ovos (galinha, codorniz, pato);

- Leguminosas secas (feijão frade, feijão branco, feijão manteiga, grão-de-bico).

A carne, o pescado, os ovos e as leguminosas secas proporcionam vários nutrientes como proteínas, lípidos, glícidos (este último essencialmente no caso das leguminosas secas), vitaminas e minerais, contribuindo para o adequado aporte de ácidos gordos essenciais.

Recomendado para o consumo semanal de c
arne, pescado, ovos e leguminosas secas 

- No mínimo, 2 porções de pescado;

- No mínimo, 2 porções de leguminosas secas;

- 2 Porções de carnes magras;

- 2 a 4 porções de ovos;

- No máximo, 2 porções de carnes vermelhas e 1 porção de carnes processadas, devendo ser reduzidas tanto em quantidade como em frequência.

Doces


Os doces apresentam elevada densidade energética, isto é, fornecem um elevado teor energético, no entanto têm baixo valor nutricional, fornecendo apenas lípidos de perfil prejudicial (ácidos gordos saturados e trans) e açúcares simples, combinando-se por vezes elevados teores de sódio (sal).

O consumo de doces não deve ultrapassar 2 porções por semana.

Vinho 


Sempre que as crenças religiosas e sociais o permitam, é recomendado o consumo moderado de vinho ou outras bebidas fermentadas, tendo como referência o consumo máximo de 1 copo por dia para as mulheres e 2 no caso dos homens.

Moderação 


As porções devem basear-se na moderação. O estilo de vida sedentário que caracteriza as sociedades atuais impõe o aporte energético moderado 

Referência(s) 

Lee J, Pase M, Pipingas A, Raubenheimer J, Thurgood M, Villalon L. Switching to a 10-day Mediterranean-style diet improves mood and cardiovascular function in a controlled crossover study. Nutrition. 2015;31(5):647-52

quarta-feira, 3 de outubro de 2018

Acabe com a Tosse Noturna com Mel



Mel combate a tosse

Essa é uma daquelas coisas que a sua avó já dizia: mel é bom pra tosse. Uma pesquisa realizada por uma equipe de pediatras israelenses acaba de reforçar o efeito positivo desse alimento. Publicado na revista científica Pediatrics, o estudo analisou 300 crianças, entre 1 e 5 anos, para identificar se o mel aliviava a tosse noturna.

Os cientistas dividiram os participantes em quatro grupos.

- Os três primeiros receberam diferentes tipos de mel.
- O quarto recebeu placebo – um xarope com a mesma cor e consistência.
- Os pais responderam a cinco perguntas sobre a tosse dos filhos um dia antes e um dia depois de oferecer o produto.

A conclusão dos pesquisadores foi:

Que as crianças que ingeriram mel apresentaram melhora da tosse noturna e menos dificuldade para dormir. 


O mel é uma boa opção para aliviar a irritação da garganta - que pode fazer com que a tosse se repita -, mas não acaba com ela. Até porque a tosse é um sintoma, não uma doença. Ou seja, se seu filho estiver tossindo porque o ar está muito seco ou porque pegou um resfriado, o mel não vai sumir com o problema, vai apenas aliviar o desconforto.

O mel é um coadjuvante no tratamento. É preciso tomar cuidado para não usar apenas o mel e deixar o tratamento correto para depois. O médico deve ser consultado antes que a tosse piore, e é ele quem irá determinar se o mel basta, se é preciso fazer inalação ou tomar algum remédio. 

A recomendação também vale para quem tem problemas alérgicos, como asma. O mel está liberado, desde que não substitua os remédios indicados pelo médico.

Outra coisa que é preciso saber é que a tosse é um mecanismo para limpar o pulmão, se o organismo está querendo se livrar do catarro, é preciso deixar que ele saia, e investigar o que está causando o problema. Nesse caso, dar bastante água para a criança é o melhor a ser feito. Ao hidratar, o catarro fica mais fluido e sai mais fácil.

Restrições para Uso do Mel de Abelhas

Em tese, o mel é uma substância natural e não faz mal para ninguém. Mas não é bem assim. Crianças com menos de 1 ano não podem consumir o produto, porque seu organismo ainda não tem proteção contra a bactéria Clostridium botulinum, que pode estar presente no mel e é responsável pela transmissão do botulismo, doença que atinge os nervos e músculos e pode até matar.

Outra restrição é em relação a quem tem alergia a pólen e picada de insetos. De acordo com o imunologista e alergista Ricardo Martins de Souza Queiroz, do Hospital São Cristóvão (SP), essas pessoas podem apresentar intolerância ao mel.

Os pais também precisam ficar de olho para o alimento não se tornar um adoçante. Colocar no leite quando a criança está resfriada pode se tornar um hábito e fazer com que ela se acostume com aquele líquido adocicado - o que é um problema, já que depois ela pode não aceitar mais o leite puro. E, claro, sempre que o mel for ingerido antes de dormir é preciso escovar os dentes. O mel é doce e um potencial causador de cáries.

Com informação de: Revista Crescer

BENEFÍCIOS DO MEL DE ABELHAS


Elaborada no organismo das abelhas a partir do néctar que coletam de diversas flores, o mel é uma substância açucarada, constituída de frutose e glicose.

Suas propriedades terapêuticas são conhecidas há milhares de anos. Ele pode ser consumido para cuidar da saúde do organismo e proporcionar mais energia para o dia-a-dia.

É de fácil digestão, sendo assimilado diretamente pelo organismo.

O mel é rico em:

- Carboidratos;
- Vitaminas do complexo B;
- Sais minerais.

Benefícios do Mel de abelhas

O mel desintoxica o organismo, favorece a digestão, neutraliza a ação de agentes tóxicos nocivos, combate o estresse e cansaço. Também previne contra a osteoporose, aumentando a fixação de cálcio nos tecidos.

Possui ação prebiótica, agindo beneficamente sobre a flora intestinal.

Contém uma substância chamada inibina que age como um antibiótico natural. Tem ação anti-séptica, anti-inflamatória, antioxidante, antimicrobiana.

É imunoestimulante, sendo eficaz contra os sintomas de gripes e resfriados. Bom coadjuvante no tratamento de problemas pulmonares e da garganta.

Livre de agrotóxicos, o mel orgânico associa os seus benefícios aos dos alimentos orgânicos, cultivados em harmonia com o meio ambiente e gerando mais qualidade de vida.

O mel é um saboroso alimento que pode ser consumido junto com iogurte, frutas, leite, torradas e cereais, como a granola, a aveia e os flocos de milho.

Todos os tipos de mel devem ser excluídos da dieta de pessoas diabéticas.

Fonte: Mundo Verde

domingo, 30 de setembro de 2018

Camu-Camu - Fruta da Amazônia que controla ganho de Peso


O camu-camu é um fruto da Amazônia, de cor vermelha e semelhante a uvas, tem 20 vezes mais quantidade de vitamina C do que a laranja e pode ajudar no combate à obesidade. 

Em experimento com ratos, cientistas descobriram que o extrato da fruta evita o ganho de peso mesmo com a ingestão diária de açúcar e gordura em excesso. Os resultados do trabalho foram publicados na revista especializada Gut.
Os polifenóis possuem efeitos benéficos para a saúde ajudando no combate a obesidade e nas doenças metabólicas. O consumo contínuo de um extrato rico em dois tipos específicos de polifenóis — elagitaninos e proantocianidinas — previne a obesidade ao acelerar o metabolismo. 

O extrato de camu-camu é rico nestes polifenóis e no experimento, o ganho de peso em ratos que ingeriram o extrato foi 50% menor do que o detectado nos animais do outro grupo e semelhante ao das cobaias de controle, que seguiram uma dieta com baixo teor de açúcar e gordura.

Para os pesquisadores, os polifenóis do camu-camu podem ter aumentado o metabolismo de repouso nos roedores. O estudo demonstra que o consumo contínuo de um extrato rico em dois tipos específicos de polifenóis — elagitaninos e proantocianidinas — previne a obesidade ao acelerar o metabolismo basal do camundongo.

De acordo com a pesquisa, o extrato da fruta também melhorou a tolerância à glicose e a sensibilidade à insulina, além de ter reduzido a concentração de endotoxinas no sangue e a inflamação metabólica. Todas essas mudanças foram acompanhadas por uma reformulação da microbiota intestinal, incluindo a floração de A. muciniphila e uma redução significativa na bactéria Lactobacillus.

Em uma última etapa, os cientistas realizaram um transplante da microbiota intestinal de ratos alimentados com camu-camu para camundongos sem contato com a fruta. O procedimento causou benefícios metabólicos semelhantes. Isso sugere que as mudanças na microbiota intestinal acarretadas pelo consumo dessa fruta guardam uma relação de causa com os benefícios dela.

Outras Frutas ricas em Polifenóis Elagitaninos e Proantocianidinas

Fontes de elagitaninos: romã, framboesa, nozes.

Fontes de proantocianidinas: cranberry e mirtilo.

As frutas ricas nestes polifenóis ajudam na prevenção e auxilia no tratamento contra a obesidade, a ação dos fitoquímicos presentes no extrato ainda ajuda melhorar a microbiota intestinal, que exerce efeito protetor no processo de perda de peso.

Para promover uma alimentação mais saudável, o consumo de frutas sempre é encorajado por parte dos profissionais de saúde. Dessa forma, o camu-camu ajuda a fortalecer o sistema imune e prevenir doenças, já que é uma fruta com alto poder antioxidante.

sábado, 29 de setembro de 2018

Bebê Gorfa muito? Veja as dicas para melhorar!


É normal que o bebê devolva uma pequena quantidade de leite após as mamadas. Isto se chama regurgitação e sua intensidade varia para cada criança, havendo também aquelas que não regurgitam.

A regurgitação pode ter diversas causas. A mais comum delas deve-se à maneira como o bebê pega o peito.

Outra causa de regurgitação, menos freqüente que a anterior é devida ao mau funcionamento de uma válvula que existe na entrada do estômago chamada cárdia. Normalmente esta válvula se fecha após a passagem do alimento, impedindo sua volta para a boca através do esôfago.

Entretanto, em algumas crianças a válvula não funciona bem e permanece aberta mesmo com o estômago cheio. Assim que a criança se deita ou quando a pressão abdominal aumenta (quando tosse, por exemplo) a criança regurgita. Se a regurgitação tiver um volume maior passa a se chamar vômito. Esta situação chama-se refluxo gastro-esofágico e pode prejudicar o ganho de peso e causar problemas respiratórios no bebê.

E necessário um tratamento que pode incluir medicamentos, alterações na alimentação e na posição para dormir. Este problema geralmente melhora com o passar dos meses e desaparece por volta de um ano de idade.

Parece que existe atualmente um “epidemia” de refluxo gastro-esofágico, sendo grande o número de crianças nas quais ele é diagnosticado. Na verdade o problema é antigo e bem conhecido. É importante fazer um diagnóstico correto, usando quando necessário os exames disponíveis.

Uma terceira causa, bem menos comum, ocorre devido a um outro problema. Trata-se de um estreitamento que surge na saída do estômago numa região chamada piloro. Esta doença chama-se estenose hipertrófica do piloro e é hereditária, o que significa que pode haver outros casos na família. Ela ocorre com muito mais freqüência em meninos primogênitos. Caracteriza-se por vômitos que se iniciam por volta de 21 dias de vida e que vão piorando gradativamente. Pode levar à desnutrição e à desidratação e seu tratamento é cirúrgico, em geral com ótimos resultados.

Existem ainda muitas outras causas de vômitos no recém-nascido. Seu pediatra poderá diferenciar entre todas elas recorrendo se necessário a exames complementares.

Dicas para Evitar o Refluxo

- O ideal é que o bebê coloque dentro da boca toda a parte escura do seio (a aréola) e não apenas o bico. Desta forma garante-se uma boa pega e uma boa mamada evitando que o bebê engula muito ar. O ar deglutido em excesso ao sair do estômago (pela boca) traz consigo o leite, provocando a regurgitação.

- No caso da mamadeira, ela deve ficar sempre bem levantada (quase em pé) de forma que a região do bico esteja sempre preenchida totalmente com leite. O líquido deve apenas gotejar e não jorrar.

- É importante tentar fazer o bebê arrotar após a mamada. Para isso basta colocá-lo em pé junto ao tórax, com as costas voltadas para a frente, como se ele estivesse olhando por cima do ombro de quem o carrega. Com uma das mãos dá-se uns tapinhas leves e repetidos nas costas do bebê, durante alguns minutos para forçar a saída do ar eventualmente engolido.

- Ao colocar o bebê para dormir após a mamada, deitá-lo sempre de lado para evitar que uma regurgitação se transforme em uma sufocação.

Postagem em destaque

Comida aquecida no micro-ondas faz mal?

Quando aquecemos alimentos no micro-ondas, geralmente surge aquela dúvida, será que perde nutrientes, será que faz mal para saúde? Nest...