sexta-feira, 17 de agosto de 2018

Qual a diferença de Chá branco, Chá verde e Chá preto


A Camellia sinensis é a planta que dá origem aos chás:
  • Chá branco;
  • Chá verde; 
  • Chá preto;  
  • Chá Oolong. 
O chá verde é muito popular na cultura oriental, passando a ser consumido no ocidente devido as suas propriedades de melhorar a saúde e emagrecimento. 
Camellia sinensis passou a ser bastante estudada pelos cientistas devido sua composição. 
Rica em compostos como:
  • Catequinas;
  • Bioflavonóides; 
  • Taninos.
Camellia sinensis ajuda no combate dos radicais livres, auxiliando na prevenção de diversas doenças, entre elas o câncer.  
O chá proveniente desta planta, também é rico em :
  • magnésio;
  • potássio; 
  • ácido fólico; 
  • vitaminas C, K,  B1 e B2, que são importante para o funcionamento do nosso organismo.
O que diferencia os chás encontrados no mercado atualmente é a forma como estes são produzidos. 
  • O chá verde representa cerca de 90% da produção chinesa, produzido a partir das folhas da Camellia sinensis que são colocadas no vapor e em seguida passam por um processo de secagem. Essa forma de produção do chá faz com que os ingredientes não sejam oxidados, mantendo assim o bom potencial antioxidantes da planta e preservando seus nutrientes.
  • chá preto constitui cerca de 90% da produção da Índia, onde as folhas da Camellia sinensis passam por várias etapas de processamento, dentre elas a fermentação, que consiste em uma ação enzimática de flavonóis e teaflavinas.
  • O chá Oolong é produzido pela oxidação parcial das folhas da Camellia sinensis, o que ocorre com a ação da enzima polifenol oxidase, presente na folha da planta. É o mais consumido na região sul da China, e por paroximadamente 2% da população mundial, enquanto o chá verde é consumido por 22% da população mundial e o chá preto por 76% a 78% da população mundial, sendo mais difundido nos paises ocidentais.
  • O chá Branco, proveniente dos brotos e flores da Camellia sinensis, contém uma quantidade menor de cafeína e um sabor mais delicado. Entretanto, possui uma quantidade maior de polifenóis, o que confere ao chá propriedades semelhantes ao chá verde, porém mais pronunciadas. Para fazer uma infusão, são necessárias duas colheres de chá da erva para um xícara de água quente.
 Preparo:
O chá verde, por exemplo, deve ser preparado com água mineral (de boa fonte) fervida em panela de vidro (de preferência) de forma que a água não entre em ebulição. 

Em seguida, as folhas secas devem ser colocadas em uma xícara de porcelana (ou cerâmica) branca por dentro. 

Coloca-se a água na xícara, espera cerca de 5 minutos com o recipiente abafado, e em seguida coa o chá com uma peneira, de preferência que seja de inox. 

O chá deve ser bebido assim que preparado para manter suas propriedades terapêuticas.

Contra-indicado para pessoas hipertensas e com hipotireoidismo, devendo ser usado com cautela por pessoas com Glaucoma.


Fonte : anutricionista

quinta-feira, 16 de agosto de 2018

Maça Protege o Coração - Cardioprotetor



Todo mundo já ouviu dizer que a ingestão de uma maçã por dia mantém os médicos afastados e que todos devemos comer várias peças de fruta diariamente. Mas porquê a maçã? Quais os seus benefícios?

Estudos realizados em animais já haviam demonstrado que a pectina e os polifenóis presentes na maçã aumentam o metabolismo dos lípidos e diminuem a produção de moléculas pró-inflamatórias. 

Num estudo mais recente apresentado durante o encontro “Experimental Biology”, os investigadores descobriram que o consumo diário de maçãs diminui o colesterol nas mulheres em idade pós-menopáusica. Este foi o primeiro estudo a avaliar, a longo prazo, os efeitos cardioprotetores do consumo diário de maçãs.

Para este estudo, os investigadores da Florida State University, nos EUA, contaram com a participação de 146 mulheres com idades compreendidas entre os 45 e os 65 anos de idade. 

As participantes foram divididas em dois grupos: um grupo que recebeu diariamente 75g de maçãs desidratadas e o outro grupo que comeu diariamente ameixas desidratadas, durante um ano. Foram retiradas amostras de sangue a todas as participantes ao fim de três, seis e doze meses.

Ao fim de seis meses, os investigadores constataram que o consumo diário de maçãs conduziu a uma diminuição de cerca de 23% no nível de colesterol LDL, também conhecido por mau colesterol. Verificou-se também que o consumo diário de maçã conduziu a uma diminuição dos níveis de hidroperóxido lipídico e proteína C reactiva.

Em comunicado enviado à imprensa, Bahram H. Arjmandi revelou que “nunca estaria à espera que o consumo de maçãs conduzisse a uma redução tão grande nos níveis do “mau colesterol”, tendo-se verificado, por outro lado, um aumento de cerca de 4% no “bom” colesterol ou HDL”. 

Uma outra vantagem apontada pelo investigador foi o facto de a ingestão diária de cerca de 240 calorias extra, consumidas através da maçã desidratada, não ter conduzido a um aumento de peso nas mulheres. 

De fato, as participantes perderam, em média, 1,5 Kg de peso. “A perda de peso é mais um dos benefícios associados ao consumo de maçã”, acrescentou o investigador. Esta perda de peso pode ser em parte devido ao fato da pectina ter um efeito positivo na saciedade.

Em conclusão, este é mais um estudo que apoia a expressão “uma maçã por dia mantém-nos afastados dos médicos”, Bahram H. Arjmandi acrescenta ainda que “todas as pessoas podem beneficiar com o consumo de maçãs.”

Fonte: http://www.alert.pt ALERT Life Sciences Computing, S.A.

quarta-feira, 1 de agosto de 2018

Medicamentos que afetam o glaucoma


O Glaucoma é a segunda maior causa de cegueira no mundo, atrás apenas da Catarata. Esta é uma doença tipicamente silenciosa na maior parte dos casos, levando à perda visual progressiva que pode passar desapercebida pelo portador do problema.

É caracterizado pelo aumento da pressão intra-ocular que pode ocasionar lesão ao olho se não for tratado. A pressão intra-ocular aumentada pode comprimir os vasos sanguíneos que nutrem as sensíveis estruturas visuais do fundo do olho. Devido à falta de irrigação sanguínea, as células nervosas da retina e o nervo óptico vão morrendo provocando perda progressiva da visão e estreitamento do campo visual. Se o processo não for controlado pode levar à cegueira.

O exame para diagnosticar a doença, apesar de ser um pouco desconfortável, é rápido e pode ser feito no consultório do oftalmologista.

Leia aqui : Alimentos que melhoram a Visão

Um cuidado especial que portadores da doença precisam ter é com o uso de certas medicações que podem precipitar ou agravar um quadro de Glaucoma.

No caso de glaucoma crônico ou glaucoma simples ou glaucoma do ângulo aberto, a maioria dos medicamentos tem pouca influência.

Já no caso do glaucoma do ângulo estreito, que é o ângulo da câmara anterior, a dilatação da pupila estreita mais ainda esse ângulo e a drenagem do humor aquoso fica difícil. Medicamentos que agem no sistema nervoso autônomo podem fazer com que a pupila se dilate comprometendo o escoamento do humor aquoso.

Leia aqui : Uso de dipirona pode diminuir a Imunidade e as Plaquetas

Medicamentos que devem ser Evitados

Estes medicamentos abaixo podem causar pequena dilatação da pupila e, dependendo da anatomia do olho, elevar sua pressão interna por retenção do humor aquoso e possível lesão dos nervos ópticos. Evite estes medicamentos:

1- Escopolamina - Buscopam;

2- Pessoas que são sensíveis à ação dos corticoides, usados como medicamento oral ou de forma tópica (colírios ou cremes/pomadas). Pode ocorrer aumento da Pressão Intraocular, que pode levar a um dano ao nervo óptico em curto período de tempo ou de forma mais crônica. Medicamentos corticoides incluem, por exemplo: a Prednisona, Hidrocortisona, Prednisolona, Triancinolona, Budesonida, Beclometasona, Dexametasona, Clobetasol, Mometasona, Fluticasona;

3- Difenidramina - Benalet;

4- Fenilefrina, Nafazolina, Pseudoefedrina - Fluviral, Sorine AD ou Neosoro, Claritin D ou Polaramine expec;

5- Dexclorfeniramina, Clorfeniramina, Doxilamina, - Histamim, Benegrip ou Apracur, Hytos Plus;

6- Orfenadrina, Dimenidrinato, Prometazina - Dorflex, Dramim, Fenergan;

7- Ritalina não deve ser usado em portadores de pressão ocular aumentada (glaucoma);

8- Topiramato pode causar distúrbios oftalmológicos;

9- Ciclobenzaprina é contraindicado no caso de glaucoma;

10- Antidepressivos como a Fluoxetina, Paroxetina, Sertralina, Citalopram, Escitalopram, Amitriptilina e Imipramina podem elevar a pressão no interior dos olhos (glaucoma agudo), assim como ocorre com outros inibidores seletivos da recaptação da serotonina, por isso deve ser usado com cautela nos pacientes com glaucoma de ângulo agudo;

11- Clonazepam é contraindicado em caso de glaucoma;

12- Fluoxetina, foi relatado midríase com o uso, por isso, deve-se ter cautela;

13- Creatina deve ser evitado para portadores de glaucoma pois causa retenção de líquidos e isto pode ser prejudicial a quem tem pressão alta;

14- Cobavit (estimulante de apetite) é contraindicado para uso por pacientes com glaucoma (aumento da pressão do olho) de ângulo fechado;

15- Amitriptilina deve ser usada com cautela em pacientes com histórico de convulsão, função hepática comprometida, histórico de retenção urinária (em virtude de sua ação atropínica) ou naqueles com glaucoma de ângulo estreito ou pressão intraocular aumentada.

16- Bupropiona: também utilizado no tratamento da Depressão e na cessação do Tabagismo deve ser evitado pois pode causar aumento da pressão intraocular.

17- Midriáticos e Cicloplégicos: estes medicamentos são utilizados com frequência na dilatação da pupila para a realização de exames oftalmológicos específicos. Medicamentos dessa classe incluem Atropina, Tropicamida, Ciclopentolato e Homatropina.

18- Anti-histamínicos mais seguros para portadores de Glaucoma são os que não causam sedação, como a Loratadina, a Fexofenadina e a Cetirizina.

Se você tiver alguma dúvida sobre medicamentos que afetam o glaucoma deixe seu comentário abaixo.

quarta-feira, 18 de julho de 2018

Alimentos que alteram o efeito dos Medicamentos



Sabia que álcool, café, abacate e outros alimentos podem interferir no efeito dos remédios que você usa? É isto mesmo, vários alimentos tem o poder de diminuir ou aumentar o efeito dos medicamentos, por isso é preciso ficar atento na hora da medicação.

A interação química de determinados tipos de fármacos com alimentos e bebidas pode se dar de algumas maneiras: diminuindo ou aumentando a absorção do princípio ativo – alterando, assim, o resultado do tratamento; interferindo no aproveitamento dos nutrientes da comida e até gerando reações adversas diferentes das previstas na bula.

O certo é tomar os remédios sempre com água, além de ler a bula para conhecer possíveis interações com aquilo que você come e bebe.

Veja aqui algumas combinações que podem colocar sua saúde em risco.

Álcool + estabilizadores do humor


Deve-se evitar a combinação de bebida com todo e qualquer tipo de medicamento.
A mistura mais perigosa é com aqueles que agem no sistema nervoso central, como antidepressivos, calmantes, remédios para dormir e anticonvulsivantes. Nesses casos, o álcool, que também atua diretamente no cérebro, tende a potencializar o efeito do fármaco, podendo provocar insônia, agitação, insuficiência respiratória, arritmia cardíaca e até levar ao coma.

O álcool também pode atrapalhar a absorção de certos remédios por ser processado no fígado, é o caso de antibióticos e anticoncepcionais. Não dá para afirmar que bebida alcoólica corta o efeito do remédio, o consumo conjunto pode sobrecarregar o órgão, mas o uso moderado não deve afetar o efeito do remédio.

Vitamina K + anticoagulante

O nutriente presente em couve, espinafre, repolho, couve-flor, couve-de-bruxelas, kiwi, abacate, entre outros vegetais, favorece a coagulação sanguínea e evita hemorragias.

Quem toma medicamentos anticoagulantes à base de varfarina (pacientes que tiveram ou correm risco de desenvolver trombos, como portadores de doenças cardíacas), portanto, deve seguir as orientações médicas para a alimentação não diminuir a eficácia do remédio.

Leite + antibiótico

O cálcio dos laticínios pode inativar o efeito da tetraciclina, antibiótico bastante usado no tratamento de acne e no combate a um amplo espectro de bactérias. O medicamento adere ao mineral e acaba tendo sua eficácia reduzida. A recomendação é dar um intervalo de uma hora entre a administração do antibiótico e a ingestão de leite, queijo ou iogurte. O cálcio também interfere na absorção do ferro presente em remédios para tratar anemia.

Cafeína + broncodilatadores

Não se deve associar produtos que contêm cafeína (chás preto e verde, refrigerantes, bebidas energéticas e chocolate, além de café) e remédios cujo princípio ativo é a teofilina (prescritos para asma, bronquite e doença pulmonar obstrutiva crônica). Isso porque as substâncias se sobrepõem, elevando a toxicidade do medicamento e intensificando efeitos adversos como taquicardia e agitação. O mesmo pode acontecer ao misturar cafeína e o antibiótico ciprofloxacino, resultando em dor de cabeça, insônia e náusea.

Tiramina + antidepressivos

Queijos, vinho, embutidos, conservas e outros alimentos fermentados contêm tiramina, substância que pode reagir com antidepressivos inibidores da monoaminoxidase (IMAOs) potencializando a absorção da droga pelo organismo e causando aumento súbito da pressão arterial e enxaqueca.

terça-feira, 10 de julho de 2018

Quais alimentos dar ao seu bebê para ele dormir melhor


A alimentação do bebê nos primeiros seis meses de vida pode ser um assunto controverso; muitas mães acabam sentindo-se julgadas se não conseguem amamentar direito ou se introduzem mamadeiras ou alimentos sólidos.

Porém uma pesquisa recém-publicada sobre alimentação de bebês pode indicar o caminho para a revisão de uma máxima, endossada por autoridades mundiais e hoje em voga, sobre a saúde dos pequenos: a de que eles só devem ser alimentados com leite materno até os seis meses de idade.

Em um estudo publicado no periódico JAMA Pediatrics, cientistas britânicos compararam indicadores de sono entre dois grupos: o primeiro, de bebês que, aos três meses, passaram a comer alimentos sólidos além do leite materno; e o segundo grupo, de bebês que só o fizeram a partir dos seis meses.

Foi justamente aos seis meses de idade que as diferenças se tornaram mais evidentes: o primeiro grupo dormiu cerca de 16 minutos a mais por noite (quase duas horas a mais por semana) e acordou com menos frequência durante o período (1,74 por noite contra duas vezes por noite).

Os resultados desta pesquisa (publicada no JAMA Pediatrics) apoiam a ampla percepção parental de que a introdução mais precoce de alimentos sólidos melhora o sono.

O grupo dos bebês que receberam alimentos sólidos precocemente registrou metade da incidência de problemas no sono como choro e irritabilidade do que o outro grupo - indicando condições mais favoráveis para que os pais pudessem voltar a dormir.


Quais alimentos dar ao seu bebê

Os primeiros alimentos podem incluir:

- Frutas e legumes amassados ou cozidos e macios - como batata, batata-doce, inhame, cenoura, maçã ou pêra;

- Frutas moles, como pêssego e melão;


- Cereais para bebês misturados com leite;

Alguns bebês gostam de começar com alimentos amassados; outros bebês precisam de um pouco mais de tempo para se acostumar a novas texturas, então podem preferir alimentos lisos ou apresentados com uma colher no início;

Siga oferecendo diferentes alimentos. Podem ser necessárias várias tentativas antes que o seu bebê aceite a novidade!

Com informação de BBC

Postagem em destaque

Qual a diferença de Chá branco, Chá verde e Chá preto

A Camellia sinensis é a planta que dá origem aos chás: Chá branco; Chá verde;  Chá preto;   Chá Oolong.  O chá verde é muit...