quarta-feira, 25 de abril de 2018

Consumo de carne vermelha aumenta em 60% o risco de doenças cardiovasculares



Para quem gosta de saborear um delicioso bife, tenho uma notícia não muito agradável; a proteína da carne está associada a um aumento acentuado do risco de doença cardíaca, enquanto a proteína de nozes e sementes é benéfica para o coração humano.

Um estudo conduzido por pesquisadores na Califórnia e na França descobriu que a proteína da carne está associada a um aumento acentuado do risco de doença cardíaca, enquanto a proteína de nozes e sementes é benéfica para o coração humano.

Intitulado "Os padrões de ingestão de proteína vegetal e animal estão fortemente associados à mortalidade cardiovascular: a coorte Adventist Health Study-2", o estudo foi um projeto conjunto de pesquisadores da Escola de Saúde Pública da Universidade de Loma Linda na Califórnia e AgroParisTech e Institut National de la Recherche Agronomique em Paris, França.

O estudo, que foi publicado on-line hoje pelo International Journal of Epidemiology , descobriu que pessoas que consumiram grandes quantidades de proteína da carne experimentaram um aumento de 60% nas doenças cardiovasculares (DCV), enquanto pessoas que consumiram grandes quantidades de proteína de nozes e sementes experimentou uma redução de 40% nas DCV.

O estudo, que incluiu dados de mais de 81 mil participantes, é uma das poucas vezes em que fontes detalhadas de proteína animal foram examinadas em conjunto com a gordura animal em uma grande investigação. Gary Fraser, MB ChB, PhD, da Universidade de Loma Linda, e François Mariotti, PhD, da AgroParisTech e do Institut National de la Recherche Agronomique, atuaram como principais pesquisadores.

"Embora as gorduras alimentares façam parte da história ao afetar o risco de doenças cardiovasculares, as proteínas também podem ter efeitos independentes importantes e amplamente ignorados sobre o risco", disse Fraser. Ele acrescentou que ele e seus colegas há muito suspeitam que incluir nozes e sementes na dieta protege contra doenças cardíacas e vasculares, enquanto carnes vermelhas aumentam o risco.

Fraser acrescentou que os nutricionistas tradicionalmente olham para o que ele chamou de "gorduras ruins" em carnes e "gorduras úteis" em nozes e sementes como agentes causais. No entanto, essas novas descobertas sugerem mais. "Esta nova evidência sugere que o quadro completo provavelmente envolve também os efeitos biológicos das proteínas nesses alimentos", disse ele.

Fraser diz que a pesquisa da equipe diferiu de maneira significativa em investigações anteriores. Embora estudos anteriores tenham examinado as diferenças entre proteínas vegetais e animais, este estudo não parou em apenas duas categorias, mas optou por especificar proteína de carne e proteínas de nozes e sementes, juntamente com outras fontes alimentares importantes. "Esta pesquisa está sugerindo que há mais heterogeneidade do que apenas a categorização binária de proteína vegetal ou proteína animal", disse Fraser.

Fraser disse que o estudo deixa outras questões em aberto para mais investigações, como os aminoácidos específicos das proteínas da carne que contribuem para a DCV. Outra é se as proteínas de fontes particulares afetam os fatores de risco cardíaco, como os lipídios sanguíneos, a pressão arterial e o excesso de peso, que estão associados às DCV.

Referência

1. Marion Tharrey, François Mariotti, Andrew Mashchak, Pierre Barbillon, Maud Delattre e Gary E Fraser. Padrões de ingestão de proteína vegetal e animal estão fortemente associados à mortalidade cardiovascular: a coorte Adventist Health Study-2 . Revista Internacional de Epidemiologia , 2018;

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...