segunda-feira, 24 de outubro de 2011

Tipos de vermes mais comuns - Verminoses

As crianças são os alvos preferidos de parasitas intestinais, principalmente os Áscaris (lombrigas); Oxiúrus, as Giárdias e Tênias. 

Transmitidos, em sua maioria, por ovos ou larvas presentes nos alimentos, na água ou na terra, quando não tratados, podem provocar desnutrição, anemias, retardo no crescimento e comprometer o funcionamento do fígado, pulmão, cérebro e dos intestinos.

Até os seis meses, os bebês não têm quase contato com o chão e se alimentam de leite materno, ficando, portanto, mais protegidos contra as verminoses. Depois de um ano, começam a andar, a brincar no parquinho, na praia, em tanques de areia na creche e aí, sim, tornam-se realmente vulneráveis.

Sinais de alerta

As parasitoses mais comuns, às vezes, não apresentam sintomas, mas, em geral, as crianças podem sentir: alterações intestinais (diarréia ou prisão de ventre), inapetência, náuseas, vômitos, cólicas abdominais, gases, perda de peso, tosse, febre, falta de ar, anemia, desânimo, coceira na vagina ou no ânus.

Na consulta médica, o pediatra vai avaliar a necessidade de pedir ou não um exame laboratorial. Primeiro porque, dependendo do caso, os vermes são eliminados, naturalmente, pelas fezes. E, também, porque se só existirem parasitas machos, não haverá produção de ovos e, portanto, o exame pode ter resultado negativo.

Melhor evitar

Não é difícil prevenir as verminoses; bastam alguns cuidados com a higiene e com o preparo das refeições:

- Lavar bem, em água corrente, todos os alimentos que serão consumidos crus. Depois, deixar as frutas e verduras mergulhadas em uma solução com hipoclorito (à venda em todas as farmácias).

- Beber, somente água potável, filtrada ou fervida.

- Consumir a carne bovina bem passada. Evitar as cruas ou pouco cozidas e a carne de porco.

- Manter os utensílios domésticos sempre limpos. As latinhas de bebidas devem ser lavadas, ao chegar do supermercado, e também as bocas das garrafas.

- Mãos lavadas antes de preparar as refeições e antes de ir para a mesa. Oriente seu filho seu filho, a lavá-las depois de usar o banheiro.

- As unhas da criança devem estar sempre limpas e aparadas. Ensine a não roê-las e a não ficar colocando a mão na boca – forma mais rápida de contaminação.

- A cada troca de fraldas, faça uma cuidadosa limpeza com algodão e água morna. Prefira o sabão de coco para as fraldas de pano, fervendo-as depois e deixando secar ao sol. Nada de usar calças plásticas por muito tempo.

- Principalmente fora de casa, melhor manter seu filho calçado. Previna-o para não brincar em locais onde há lixo ou água poluída e não tomar banhos de rio e de lago.

- Se vocês têm cães e gatos em casa, cuide bem de sua saúde e higiene. Eles podem servir de reservatório para vários tipos de parasitas.

Como tratar

O médico vai receitar um vermífugo, não somente para a criança, mas para toda a família, até como medida de prevenção. É importante fazer o tratamento porque, mesmo sem apresentar sintomas, a doença pode evoluir e provocar, inclusive, uma obstrução intestinal. Mas, lembre-se: não adianta tratar se vocês não mantiverem os cuidados de higiene pessoal e também com a água e no preparo dos alimentos.

Tipos de vermes


O ascaris lumbricóides é a parasitose mais comum. A lombriga chega a medir 40cm de comprimento e as fêmeas podem colocar até 200 mil ovos por dia. Fica alojada no intestino delgado, alimentando-se dos nutrientes que rouba da criança. As conseqüências vão de retardo no desenvolvimento físico, alterações de comportamento à obstrução intestinal (parcial ou total). A contaminação se dá pela ingestão dos ovos.

Sintomas: cólicas abdominais, náuseas, diarréia ou prisão de ventre, alterações no apetite, fraqueza, perda de peso, falta de disposição.


Depois da ascaridíase, é a segunda parasitose intestinal mais comum. O ancylostoma duodenale ou amarelão tem de 7mm a 15mm de comprimento e, após passar pelos pulmões, se fixa na mucosa do intestino delgado, onde suga o sangue de seu hospedeiro. Pode causar anemia, complicações cardíacas, pulmonares e comprometer o desenvolvimento da criança. O contágio acontece quando os ovos eliminados através das fezes ficam no chão, transformando-se em larvas, que entram no corpo, através do contato com os pés descalços.

Sintomas: cansaço, fraqueza, falta de ânimo, pele amarelada. Podem aparecer sinais de dermatite nos pés.


O oxiurus ou enterobius mede apenas 1cm, é bem fininho e se aloja nos intestinos, alimentando-se dos nutrientes que a criança ingere. Parece um fio de linha branca, facilmente identificado no cocô de seu filho. Além do tratamento indicado pelo pediatra, deve-se manter as unhas dele bem cortadas e lavar, com água quente, as roupas de uso pessoal, de cama e as toalhas.

A transmissão acontece através da água contaminada, alimentos mal-lavados, poeira, mãos sujas. Também, quando a criança se coça e os ovos entram por baixo das unhas. Ela, então, passa para a roupa que está usando, para os brinquedos, e contagia as pessoas em volta. Ao levar a mão à boca, acaba se reinfectando. Por isso, o tratamento deve incluir toda a família.

Sintomas: coceira incessante na região anal (onde a fêmea coloca os ovos), na vagina, corrimento, enjôos, tonturas, vômitos, cólicas, sono agitado.


Conhecido como solitária, é o maior verme que existe, podendo medir até 9m de comprimento e produzir de 30 mil a 60 mil ovos por dia no intestino da criança. Estes ovos são eliminados pelas fezes e, em sítios, fazendas ou locais com poucas condições de higiene, lançados no chão. Ali, se transformam em larvas, infestando animais como o boi e, principalmente, o porco. O contágio, então, se dá pela ingestão da carne (crua ou mal-passada) destes animais.

Sintomas: fraqueza, mudanças no apetite e emagrecimento.


O trichuris trichiura mede entre 3 cm e 5 cm e se fixa no intestino, alimentando-se do sangue de seu hospedeiro. A transmissão ocorre através da ingestão de alimentos mal-lavados, água contaminada e mãos sujas.

Sintomas: fraqueza, cólicas, emagrecimento, diarréia crônica ou aguda (acompanhada ou não de sangramento). Dependendo do número de vermes no organismo, há risco de comprometimento do desenvolvimento, anemia e colite com diarréia persistente.


A giárdia lamblia se aloja no intestino delgado, alimentando-se dos nutrientes que encontra ali. A contaminação se dá através da água, alimentos mal-lavados, principalmente os vegetais. Também pode haver contágio de uma pessoa para outra. São comuns os casos de reinfecção, após o tratamento.

Sintomas: Apenas metade das pessoas infectadas apresenta sintomas, entre eles, enjôos, vômitos, gases, fezes cheias de gordura, pastosas e de tonalidade clara e brilhante, distensão abdominal, diarréia, perda de apetite, anemia. A falta de tratamento leva a uma diarréia líquida, persistente, causando alterações na absorção dos alimentos e desnutrição.


A entamoeba histolytica primeiro passa pelo intestino delgado, mas vai se fixar no intestino grosso, onde se multiplica. A contaminação acontece através da ingestão de alimentos crus mal-lavados, água e pela falta de higiene nas mãos.

Sintomas: Na maioria dos casos, a amebíase não apresenta sintomas, permitindo que a ameba continue se reproduzindo no organismo. Mas, pode causar diarréia, com fortes dores abdominais, disenteria (evacuações contendo sangue), febre, calafrios, sudorese, desidratação e prostração.


Causada pelo protozoário schistosoma mansoni a doença é facilmente tratada se descoberta a tempo. Só que na maioria dos casos não tem sintomas, sendo percebida somente anos depois de se instalar, quando já causou problemas sérios ao organismo. É um tipo de verminose comum em locais de saneamento precário. Os ovos encontrados nas fezes da criança eliminam, na água (rios e lagos), as larvas que se alojam no caramujo, que libera a larva já adulta, reinfectando a água.

Sintomas: Febre, tosse, cólicas abdominais, dermatite (com vermelhidão, coceira e inchaço), dor de cabeça, inapetência, enjôos, vômitos e tosse seca. Nos casos mais graves, anemia, desnutrição e vômitos com sangue.

Fonte: www.uol.com.br - Regina Protasio
Consultoria: Dr. Paulo Roberto Lopes, pediatra. Médico da Unidade Materno-Infantil do Hospital dos Servidores/RJ



Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...