quarta-feira, 30 de março de 2016

Anti-inflamatórios que podem causar problemas cardíacos





No Brasil a venda de anti-inflamatórios muitas vezes é feita sem a prescrição médica, e os pacientes costuma fazer o uso frequentemente, não sabendo os riscos que estão correndo, pois alguns tipos de anti-inflamatórios como os da classe dos inibidores COX-2 podem afetar a saúde do coração.

Os principais medicamentos desta classe são divididos em :

- Inibidores seletivos da COX-2: Meloxicam (Movatec), Etodolaco (Flancox), Nimesulida (Scaflam.

- Inibidores altamente seletivos da COX-2: Celecoxib (Celebra), Etoricoxibe (Arcoxia).
Os medicamentos que tem mais causado estes problemas cardíacos são os da classe dos 
Inibidores altamente seletivos da COX-2.

Por que motivo estes medicamentos podem causar problemas cardíacos?

Após vários anos de pesquisa, um estudo publicado no “Journal of Clinical Investigation”, traz a informação que investigadores americanos descobriram por que motivo os inibidores COX-2, fármacos que aliviam a dor da artrite e inflamação sem os efeitos gastrointestinais de outros analgésicos, podem causar problemas cardíacos em alguns pacientes.

Os investigadores do Centro Médico da Universidade de Vanderbilt, nos EUA, constataram que a produção de prostaglandinas por um tipo de células sanguíneas, os macrófagos, pode desempenhar um papel importante, especialmente nos rins e na pele. 

Na opinião dos investigadores liderados por Ming-Zhi Zhang e Raymond C. Harris, estes achados podem conduzir ao desenvolvimento de uma nova classe de fármacos que aliviem, a dor sem causarem efeitos vasculares.

As prostaglandinas são produzidas pelas enzimas ciclooxigenases, COX-1 e COX-2, que têm, entre outros efeitos, um papel importante na inflamação. Por outro lado, os macrófagos estão também envolvidos na inflamação.

Contudo, a produção das prostaglandinas pelos macrófagos também parece ter um efeito protetor na função cardíaca, ao modelar a hipertensão e o edema, retenção de fluidos, na resposta a uma dieta rica em sal. 

Neste estudo realizados em ratinhos, os investigadores constataram que quando a enzima COX-2 nos macrófagos estava bloqueada, impedindo consequentemente a produção de prostaglandinas, a hipertensão e o edema pioravam.

Uma vez que os investigadores já conhecem melhor este processo, a esperança é que sejam capazes de desenvolver novos fármacos que aliviem a dor e a inflamação sem afetar o sistema que regula a pressão sanguínea e retenção de fluidos. Ao conseguirem isto estariam mais próximos de cumprir a promessa original dos inibidores COX-2. 

Recomendações da Anvisa quando ao Uso de Inibidores da COX-2

- Tendo em vista recentes mudanças no conhecimento do perfil de segurança dos inibidores de COX-2, é indispensável que prescritores e dispensadores se mantenham constantemente atualizados quanto aos fármacos dessa classe terapêutica.

- O uso de coxibes deve ser considerado somente para pacientes com significante risco aumentado de sangramento gastrintestinal e sem risco simultâneo de doença cardiovascular.

- Nenhum anti-inflamatório deve ser utilizado sem a devida prescrição de médico ou de cirurgião-dentista.

- Sempre solicitar esclarecimentos ao prescritor sobre os benefícios e riscos do tratamento.

- A dispensação de anti-inflamatórios prescritos deve ser feita sob orientação de farmacêutico.

- Seguir rigorosamente a posologia conforme a prescrição determinada.

- Está contra-indicado o uso de inibidores seletivos de COX-2 em pacientes sob tratamento com ácido acetilsalicílico como antiagregante plaquetário.

- Pacientes tratados com qualquer inibidor seletivo de COX-2, e que tenham doença cardíaca isquêmica ou doença cardiovascular, devem ter seus tratamentos substituídos, tão logo seja possível, por inibidores não seletivos de COX-2.

Com informações de ALERT Life Sciences Computing, S.A e Anvisa.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...